quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Parabéns Tatuí 184 anos de Ternura, Doce e muita Música

Histórico de Tatuí:
Tatuí, vocábulo de origem tupi-guarani. TATUHY, decompõe-se em duas palavras: TATU que designa o próprio animal e HY que significa rio. Tatuí quer dizer, portanto, Rio do Tatu. Essa palavra sofreu as seguintes transformações: Tatuuvu, Tatuhu, Tatuhy e finalmente TATUÍ.
O patrimônio da atual cidade de Tatuí, foi desmembrado da sesmaria concedida aos frades do Convento do Carmo de Itu, em 10 de novembro de 1809, sesmaria esta que compreendia as terras situadas à margem esquerda do rio Tatuí, desde sua cabeceira até a barragem do Rio Sorocaba, por esta abaixo até a do Guarapó e por esta acima até a Serra da Campininha e, daí, até a nascente do rio Tatuí, local onde existiu uma povoação denominada "São João do Benfica".
Em princípios do século XIX, alguns indivíduos se dirigiram ao sítio denominado "Tatuhu", dispostos a entregar-se à agricultura. A fundação da Usina de São João do Ipanema, contribuiu para que fosse, então, aumentado o número dos primeiros povoadores de Tutuhu. Em 1819, erigida a capela pelos habitantes da povoação, foi concedido o título de paróquia com o nome de São João do Benfica.
Aos 11 dias do mês de agosto de 1826 deu-se a divisão das terras doadas pelo brigadeiro Manoel Rodrigues Jordão (o mesmo que doou as terras da cidade de Campos do Jordão), para a ereção do povoado de Tatuí. A data de criação do distrito em 5 de março de 1822 vem motivando dúvidas, pois não parece bem definido se é relativa ao primitivo São João do Benfica ou a atual Tatuí. A lei provincial n.º 12 de 13 de fevereiro de 1844 criou o município desmembrado de Itapetininga.
Pela lei provincial n.º 13 de 20 de julho de 1861, Tatuí foi elevada à categoria de cidade. A comarca foi criada em 7 de maio de 1877 pela lei provincial n.º 26, sendo seu primeiro juiz de Direito João Feliciano Costa Ferreira, tendo sido instalada em 16 de outubro do mesmo ano. A primeira pedra da atual Igreja Matriz de Nossa Senhora da Conceição foi colocada no dia 9 de agosto de 1884, cuja cerimônia foi presidida pelo cônego João Clímaco e o auto de assentamento foi lavrado pelo tabelião Paula Gomes. Em julho de 1888 os trilhos da então Estrada de Ferro Sorocabana, hoje FEPASA, chegaram a Tatuí.
Tatuí foi pioneira na industrialização no Estado de São Paulo. Em 1881, Manoel Guedes Pinto de Mello inaugura a fábrica São Martinho que - utilizando energia elétrica gerada por usina, instalada no rio Sorocaba, perto de Cerquilho - deu início à fabricação de tecidos, cobertores e toalhas, produtos que eram, aliás, exportados. A energia produzida na usina passou a servir a cidade.
O pioneirismo de Martinho Guedes Pinto de Mello, pai do fundador da fábrica São Martinho, desenvolveu-se através do beneficiamento e industrialização do algodão, produzido a partir de sementes importadas por Martinho Guedes dos Estados Unidos. A ação empreendedora se confirma através de medidas sociais que beneficiavam seus operários: casas, armazém de gêneros alimentícios, clube esportivo e social e assistência médica prestada pelos médicos então residentes em Tatuí e que posteriormente se projetaram no cenário nacional: Emílio Ribas e Marcondes Machado.
Em 1890, a industrialização em Tatuí ganha novo impacto com a fábrica Campos Irmãos e Cia. Logo a seguir, outras empresas entram em funcionamento: Fiação Santa Izabel, Chapéus Sendero e Cia De Phósphoros Palmira Vanni e Cia, além de beneficiadores de algodão, arroz e café, olarias, cerâmicas, laticínios, massas, licores e cervejas.
O crack da Bolsa de Nova York, a Revolução de 1930 e a 2º Guerra Mundial, interromperam o crescimento de Tatuí. Na década de 40, a usina hidrelétrica da fábrica São Martinho foi vendida para a Cia San Juan de Eletricidade, e a cidade passou a ter apenas duas horas de energia diária. Tatuí retoma seu crescimento após o último governo de Adhemar de Barros, quando a energia volta a ser contínua e logo a seguir, a construção da rodovia Castelo Branco trouxe novo impulso ao desenvolvimento.
Hoje o município, além de sua vocação agrícola (agronegócio) de avicultura, cultivo da grama, do feijão carioquinha, do resistente trigo duro, do amendoim tatuí, da batata, da cana-de-açúcar e do milho (sempre com ajuda da Estação Experimental do Sudoeste do Estado), e de sua destacada criação de cavalos de raça árabe, quarto-de-milha e manga larga, caminha para a consolidação de um parque industrial, adotando uma sadia política de isenção de impostos. Tatuí abre espaço para novos investimentos, como fizeram seus antepassados, com o mesmo espírito de trabalho sempre fiel ao seu lema PER ARDVA SVRREXI (pelo trabalho surgiu). (Fonte: Município de Tatuí-SP)
Hino a Tatuí
Letra de Paulo Cerqueira Luz e Música de Maria Ruth Luz
Tatuí, Cidade Ternura,
Terra querida onde vivemos,
tens filhos de grandes méritos,
é justo que os louvemos.
Nas letras, Paulo Setúbal,
recebeu seu galardão;
na caridade, Chico Pereira,
foi exemplo de cristão.
Estribilho
No verde-esmeralda das melancias,
no amarelo-ouro do abacaxi,
lembramos a Bandeira do Brasil
nas colheitas de Tatuí.
Tatuí, do XI de Agosto
Tatuí, da Festa de São Jorge.
A ternura é a tua carga,
o coração, o teu alforje.
A ternura é a tua carga,
o coração, o teu alforje. (fim do estribuilho)
No progresso industrial
Manoel Guedes foi pioneiro,
na música, Nacif e Bimbo
brilharam no estrangeiro.
No pólo e no futebol,
na Justiça e na arte,
no carnaval e no fandango,
Tatuí fez estandarte.

Nenhum comentário:

Postar um comentário